IFiL  Quem Somos

1. O que é o IFIL?
O IFIL é uma associação civil sem fins lucrativos com a finalidade de promover a reflexão filosófica com ênfase à filosofia da libertação, o fomento à economia popular solidária, à educação popular, ao papel da filosofia na educação básica, através do ensino, graduação, pós-graduação, ensino à distância, pesquisa, extensão e diálogo interdisciplinar com outras áreas de estudos que se interessem por temas ligados à práxis de libertação.

2. Histórico
A origem do IFIL remonta a inúmeras atividades de estudo e pesquisa em temas de Filosofia da Libertação realizadas na década de 80, em Curitiba. Com o acúmulo de práticas e articulações entre pessoas e grupos organizados, o IFIL foi fundado no dia 2 de dezembro de 1995 com a presença de lideranças de movimentos populares, professores e estudantes de diversas áreas do conhecimento.

3. Objetivos
Estudar, pesquisar e assessorar temas em Filosofia da Libertação com acento especial à realidade afro-latino-americana, economia popular solidária e educação popular.
Estabelecer diálogo interdisciplinar através de temas ligados à práxis de libertação.
Realizar atividades educacionais voltadas tanto ao público acadêmico universitário quanto aos setores populares.
Desenvolver tecnologias alternativas, audiovisuais, software, produção editorial.
Relacionar-se com organizações populares visando intercâmbio cultural, científico e de experiências sociais comunitárias.
Posicionar-se publicamente frente a questões relevantes quanto à defesa da democracia, cidadania e direitos humanos

4. Visão e Elementos Metodológicos
Atuando na perspectiva da Filosofia da Libertação, o IFiL mantém um contato direto com os movimentos sociais visando uma reflexão crítica sobre a práxis desses movimentos e colaborar em atividades de educação popular. Nesta interlocução dialógica, reformulamos nossos conceitos e nossa elaboração teórica, aprendendo e colaborando com a construção coletiva do conhecimento.

Por movimentos sociais consideramos as parcelas da população que se mobilizam e organizam na luta pelos interesses coletivos, na defesa e garantia de melhores condições de vida e de respeito à dignidade da pessoa humana.

As práticas desencadeadas por tais movimentos estão articuladas a certas concepções de como realizar os interesses coletivos, garantir melhores condições de vida à população, respeitar a dignidade da pessoa humana e de como organizar os movimentos.

Desde a metodologia da práxis que adotamos, partimos das práticas dos movimentos sociais e empreendimentos de economia popular e solidária. Considerando-a, elaboramos um projeto de trabalho, definindo as prioridades em assembléias com o conjunto das organizações. A implementação deste projeto visa resultar em uma prática mais qualificada e eficiente.

Partir da prática significa considerar a subjetividade dos atores, a realidade estrutural e conjuntural em que as ações se desenrolam e a realidade dos movimentos sociais e empreendimentos solidários, suas estratégias e táticas. A partir daí temos as demandas, desafios, carências e solicitações que devem ser cobertos pelo projeto de trabalho.

O projeto de trabalho, por sua vez, integra atividades formativas, produção de subsídios, acesso a publicações, articulações de organizações, assessorias, documentação, cessão de infra-estrutura, mapeamento e serviço de informações.

Com a implementação deste projeto de trabalho, busca-se um aprimoramento das práticas dos atores envolvidos para que sejam mais qualificadas tecnicamente (tanto nas ações de produção, comercialização e consumo, na ação direta dos movimentos sociais e na ação institucional seja reivindicativa e propositiva) como também politicamente (consolidando a democracia nas organizações e a colaboração na construção de um projeto estratégico de transformação social) e eticamente, promovendo a solidariedade entre todos em favor da justiça social e da promoção das liberdades públicas e pessoais. Além de ser qualificada, buscamos que ela seja eficiente, tanto no que se refere a alcançar resultados imediatos quanto no que se refere a acumular forças para transformações estruturais que vão sendo implementadas a partir da realidade local em estratégias de rede.

5. Gestão
O IFiL preza pelo princípio da autogestão e adota mediações diversas para que as ações do Instituto sejam realizadas com a participação e a decisão dos seus associados.

A Assembléia é o órgão máximo de decisão. É composta por todos os associados ao Ifil. Reúne-se semestralmente ou em períodos mais freqüentes conforme a necessidade. Estabelece as diretrizes, aprova o projeto e avalia a realização do planejamento.

A Coordenação, eleita pela Assembléia, reúne-se quinzenalmente sendo responsável por encaminhar todas as ações requeridas para a implementação do projeto de trabalho, contando com auxílio de colaboradores.

A Secretaria é um órgão executivo, responsável por todas as atividades de suporte, para as quais também conta com a contribuição de colaboradores.

As equipes de trabalho organizam-se em Núcleos conforme as necessidades, sendo responsáveis pela coordenação e execução das atividades planejadas.

Listas de mensagens são utilizadas para uma comunicação mais imediata e ampla com associados e colaboradores.

6. Parcerias
Em sua trajetoria o IFiL estabeleceu parcerias com diversas organizações em ações específicas e outras de caráter pemanente, entre as quais elenca-se:

IPSIA - Istituto Pace Sviluppo Innovazione Acli

AFYL - Associación de Filosofia y Liberación

AFLA - Associação de Filosofia Latino-Americana

Corredor de las Ideas

NEFILAM - Núcleo de Estudos sobre Filosofia Latino-Americana

IVF - Instituto Vicentino de Filosofia

ALEP - América Latina Estudos e Projetos - Núcleo do Setor de Ciências Humanas da UFPR

NESEF – Nucleo de Estudos Sobre o Ensino de Filosofia - UFPR

CEFIL - Centro de Estudos e Pesquisas de Filosofia Latino-Americana

CMP - Central de Movimentos Populares

RBSES - Rede Brasileira de Socioeconomia Solidária


7. O que o IFiL oferece atualmente
Acervo especializado em Filosofia Latino-Americana e da Libertação disponível para consulta local, reprodução e envio de materiais através de serviços de correio.
Grupos de estudos, seminários e cursos.
Publicação anual da revista Libertação-Liberación.